Notícias

Programa oferece trilhas de aprendizagem remota para estudantes do ensino fundamental

Simplifica traz experiências de aprendizagem ativa mediadas pela tecnologia que podem ser utilizadas gratuitamente por gestores, professores e famílias


Após mais de um mês de suspensão das aulas presenciais para conter a disseminação do coronavírus (COVID-19), escolas de todo o país ainda permanecem fechadas sem previsão de retorno. Para apoiar gestores, educadores e famílias na organização do aprendizado remoto, um grupo de 40 professores se reuniu a distância nas últimas semanas para criar mais de 50 trilhas pedagógicas gratuitas que envolvem mais de 700 experiências de aprendizagem para estudantes do primeiro ao nono ano do ensino fundamental.


Criado pela Amplifica, em parceria com a Fundação Lemann e a Imaginable Futures, o programa Simplifica oferece experiências pedagógicas mediadas pela tecnologia para estimular que crianças e adolescentes continuem se desenvolvendo durante a quarentena. Orientadas pelas competências gerais e habilidades específicas da BNCC (Base Nacional Comum Curricular), as trilhas de aprendizagem também são inspiradas nos 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da agenda 2030 da ONU (Organização das Nações Unidas).


Organizadas em oito semanas de conteúdos, as trilhas de aprendizagem trazem temas como viver em comunidade, igualdade, sustentabilidade, seres vivos, inovação, consumo responsável, bem-estar, mundo do trabalho e projeto de vida. “Nós não temos a pretensão de cobrir o currículo de cada escola ou secretaria, mas de trazer uma experiência de aprendizagem ampla, leve, divertida e ao mesmo tempo desafiadora”, explica Carla Arena, coordenadora do Amplifica.


De acordo com ela, a proposta da jornada não é reproduzir o modelo e a carga horária de uma aula presencial, mas criar momentos para que o estudante possa continuar se desenvolvendo no período de distanciamento social. “Queremos trazer para a criança e para a família um presente, e não um fardo ou algo que eles não consigam dar conta”, destaca.


Desenhadas com foco no estudante, a partir de elementos da Taxonomia de Bloom (uma estrutura de organização hierárquica de objetivos educacionais) e de parâmetros dos educadores John Dewey e David Allen Kolb, todas as trilhas têm como elemento central um Diário de Bordo. Com ele, os estudantes podem registrar suas descobertas e sistematizar o aprendizado. “Eles são convidados a fazer uma reflexão e aplicar o que aprenderam. Em uma conversa muito próxima com os estudantes, priorizamos os saberes que eles já têm, fazemos o convite para um momento de desenvolvimento e celebramos as pequenas vitórias”, conta Giselle Santos, consultora de inovação e integrante do Núcleo Acadêmico do Simplifica.


Com foco nos estudantes, Giselle diz que as experiências de aprendizagem também foram desenhadas para se adaptarem às diferentes realidades. “O material tem um olhar muito rico e cuidadoso para os diferentes contextos”, cita. Pensando nas crianças e adolescentes com pouco acesso à internet, as trilhas também possuem caminhos alternativos em PDF e desafios offline, tudo com possibilidade de impressão.


Para considerar as diferentes realidades e construir as trilhas em tempo recorde, o programa lançou uma chamada pública no fim de março que reuniu cerca de 2 mil professores de todas as regiões do país. Desse número foram selecionados 32 participantes para se juntarem a um time de 10 profissionais do Simplifica, entre professores, desenvolvedores e designers.


O professor de língua portuguesa Cléssio Pereira Bastos, da Escola Municipal Laurício Pedro Rasmussen, na área rural de Goiânia (GO), foi um dos selecionados para integrar o time. “Eu já trabalho com produção de conteúdo e material didático há um tempo, mas esse projeto foi uma experiência bastante desafiadora. “As atividades tinham que ser instigantes, interessantes e inovadoras, ao mesmo tempo em que elas teriam que dialogar com a realidade do aluno”, afirma.


Quem já testou as trilhas e aprovou o conteúdo foi a professora Renata Reis Chiossi, da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro. Acostumada a dar aulas para turmas do ensino médio, ela conta que estava em busca de recursos para estimular a aprendizagem do filho Gabriel, que está no terceiro ano do ensino fundamental. “Eu fiquei perdida em relação ao que fazer com ele em casa. Não tinha experiência com essa etapa de ensino, e a escola dele suspendeu todas as atividades por ser contra as aulas a distância”, diz.


Preocupada em promover experiências para que o filho pudesse continuar se desenvolvendo, ela ficou sabendo do programa Simplifica por postagens de conhecidos nas redes sociais. “Separamos em média uma hora e meia do dia para ele percorrer a trilha. Ele faz as atividades sozinho e quando tem alguma dúvida ou experiência coletiva me chama para ajudar”, compartilha Renata, que diz já ter percorrido duas trilhas com o Gabriel.


Desde o lançamento, na última semana, a plataforma do Simplifica já conta com quatro trilhas disponíveis. Semanalmente são adicionados novos conteúdos. Para acessar, gestores, professores e famílias podem se cadastrar gratuitamente em https://www.amplifica.me/simplifica/.


Fonte: Portal Porvir - Marina Lopes

author Advice